quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Laboratório de Ecologia Aplicada (UTAD) e o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina monitorizam e contam 99 Gralhas-de-bico-vermelho

No mês de Outubro as contagens realizadas em simultâneo no noroeste (áreas do PN Alvão e Serra do Barroso) e sudoeste (PNSACV) de Portugal, revelaram a existência de um total de 99 Gralhas-de-bico-vermelho.

Estas contagens decorreram como resultado da reunião entre a equipa do Projecto Bico-vermelho e o PNSACV onde se discutiu os moldes da parceria, as metodologias a utilizar e se definiu a periodicidade mensal para a realização dos censos de Gralha-de-bico-vermelho nas Serras do Alvão, Barroso e no Sudoeste Algarvio e Costa Vicentina.

Deste modo, as contagens no Alvão e Barroso realizadas no mês de Outubro revelaram um total de 22 Pyrrhocorax pyrrhocorax, distribuídas por um total de cinco abrigos, que na sua maioria são ocupados por apenas um casal. No entanto, as aves que compõem este núcleo encontram-se durante algum tempo junto do dormitório principal para se alimentarem e socializarem, antes de se distribuírem pelos diferentes locais de dormida já perto da hora do pôr-do-sol.

As contagens realizadas pela equipa do PNSACV e em especial pelos nossos amigos Pedro Portela e Viictor Casalinho para mesmo mês, tal como havia sido acordado, revelaram num primeiro instante, a chegada de apenas 2 aves da espécie P. pyrrhocorax, no dormitório a Oeste de Sagres no entanto após a sua recolha logo se lhes seguiram, vindas de Norte, mais 42 aves. Além destas, num dormitório mais a Leste de sagres as contagens confirmaram a utilização de um segundo dormitório por mais 33 aves da mesma espécie.

O número de Gralhas-de-bico-vermelho registado, após a época de nidificação, tem vindo a aumentar gradualmente nos locais de contagem. Os resultados, até agora compilados, encontram-se dentro do esperado, e estão de acordo com as observações realizadas em anos anteriores, isto é: regista-se uma diminuição do número de aves (dispersão) na época de nidificação e a concentração gradual de aves a partir do período estival atingindo o número máximo de aves no pico do Inverno. Deste modo, teremos de aguardar até Dezembro/Janeiro, para obter um número máximo de Gralhas-de-bico-vermelho nestas áreas e confirmar se houve acréscimo populacional nas áreas monitorizadas.


No âmbito do Projecto Bico-vermelho, a equipa está a desenvolver esforços para que a monitorização e contagem de Pyrrhocorax pyrrhocorax seja estendida a todas as áreas de Portugal Continental onde a espécie ocorre, de forma a que num futuro próximo a monitorização nacional da Gralha-de-bico-vermelho seja uma realidade.

1 comentário:

Marco disse...

Olá,

Parabéns pelo bom trabalho que estáis a fazer.
Obrigado pela lembrança! Já limpei o vidro do carro para o colar!

1 abraço

Marco